Margem bruta: o que é, qual a importância e como calcular?

Se você é um empreendedor e necessita precificar o seu produto ou serviço, você certamente precisará conhecer a margem bruta deles.

No artigo de hoje, destacamos as principais informações que qualquer pequeno ou médio empresário precisa saber sobre um dos principais indicadores financeiros das empresas. Afinal, uma boa análise da margem bruta te ajuda a escolher os melhores caminhos para o crescimento do seu empreendimento.

O que é margem bruta?

A margem bruta é uma das principais métricas financeiras de qualquer negócio! A partir dela é possível identificar se a empresa está gerando lucro ou prejuízo para os sócios. Já deu pra ter uma ideia da importância, né?

De forma resumida, ela mensura a porcentagem de lucro bruto que a empresa tem com cada produto vendido ou serviço prestado. 

Qual a diferença entre margem líquida e margem bruta?

A margem líquida representa a quantidade de dinheiro que a empresa faz para cada real em receita (depois de pagar todas as despesas e impostos).

Funciona assim: se a margem de lucro líquido do seu negócio for de 10%, significa que para cada R$ 100,00 que a empresa ganha, há um lucro líquido de R$ 10,00.

Quer saber como calcular a margem líquida?

Margem líquida = (Lucro líquido / Receita líquida) x 100

Qual a diferença entre margem de contribuição e margem bruta?

Já a margem de contribuição representa o quanto a empresa consegue gerar de recursos para pagar as despesas fixas de seus produtos ou serviços e ainda assim garantir lucro.

Para saber se você está gerando lucro ou prejuízo, é importante se atentar:

Margem de contribuição > Valor total das despesas fixas = lucro

Margem de contribuição < Valor total das despesas fixas = prejuízo

Vamos ao cálculo?

Margem de contribuição = Preço – Custos e despesas variáveis

Para que serve a margem de lucro bruta?

Identificar a margem bruta é fundamental para gerenciar os objetivos e estratégias do seu negócio. E mais:

Conhecer a saúde financeira da empresa

Quanto mais você conhece o seu negócio, mais oportunidades tem de fazer com que ele prospere.  Para os pequenos e médios empreendedores, por exemplo, conhecer a margem bruta permite conhecer também a rentabilidade da empresa, o que ajuda na precificação correta dos produtos

Aumentar a previsibilidade

Conhecer a margem bruta permite que o empreendedor tenha uma visão de futuro mais clara. Ao identificar esse valor, é possível prever a quantia necessária de lucro caso precise tomar alguma decisão que impacte no aumento dos custos, por exemplo.

Como esse indicador está relacionado com o lucro bruto, fica fácil identificar se a empresa terá lucratividade ou prejuízo.

Melhorar a tomada de decisões

Ao definir a margem bruta ideal para seus produtos ou serviços, você consegue estruturar um planejamento mais coerente e definir as melhores estratégias para o seu negócio.

Acompanhar a margem bruta te ajudará a identificar as melhores oportunidades e a otimizar a tomada de decisões.

Como definir a margem bruta?

Para definir a margem bruta é importante fazer o cálculo desse indicador e entender se o resultado faz parte do que chamamos de “boa margem bruta”. Saiba como:

Como calcular margem bruta?

O cálculo é relativamente simples e depende apenas de dois indicadores:

  • Receita líquida: engloba o faturamento total da empresa, deduzindo os impostos sobre vendas.
  • Lucro bruto: engloba o valor recebido por cada venda. Aqui, é preciso desconsiderar os custos de produção e de distribuição, como matéria-prima e transporte. Porém, deve-se manter os valores não relacionados com o produto ou serviço, como impostos.

Agora, vamos ao cálculo:

Margem bruta = (Lucro bruto/Receita líquida) x 100

Exemplo de cálculo de margem bruta

Imagine que uma empresa de cosméticos possui uma receita líquida de R$ 15 mil. Para executar as vendas, desconta-se os custos diretamente envolvidos, como R$ 4 mil de matéria-prima, R$ 1 mil de frete e R$ 4 mil de armazenamento. Neste caso, o lucro bruto é de R$ 6 mil.

Seguindo o cálculo acima, temos:

R$ 6 mil (lucro bruto) / R$ 15 mil (receita líquida) x 100 = 40% de margem bruta

Qual é uma boa margem bruta?

Para responder a essa pergunta, é importante destacar que cada empresa é única e possui suas próprias particularidades, como nicho, tamanho e perfil de clientes.

Isso significa que não há uma margem bruta padrão. A porcentagem ideal depende muito da estratégia e dos objetivos adotados para cada negócio. Mas como saber se você está no caminho certo? Temos duas dicas:

A primeira é pesquisar a porcentagem média do mercado de acordo com a categoria da sua empresa e, a partir disso, definir uma meta de margem bruta. A segunda é garantir que o lucro bruto seja superior aos custos fixos:

  • Custos fixos > Lucro bruto: Prejuízo
  • Custos fixos < Lucro bruto: Lucratividade positiva
  • Custos fixos = Lucro Bruto: Estagnação 

Qual a relação da margem bruta e o ponto de equilíbrio operacional?

Ao calcular o ponto de equilíbrio operacional, é possível verificar qual o nível mínimo de margem de contribuição necessária para que se inicie a geração de lucro. 

Com isso, o lucro utilizado no cálculo da margem bruta é formado pelo excedente obtido após o ponto de equilíbrio operacional.

O cálculo é o seguinte:

Ponto de equilíbrio operacional = Custos fixos / Margem de contribuição

Como melhorar a margem bruta?

Se você precisa melhorar a margem bruta dos seus produtos ou serviços, saiba que o primeiro passo é investir na gestão financeira da sua empresa para conhecer a realidade dos números e identificar as oportunidades de ajustes. Separamos aqui algumas dicas que podem fazer a diferença:

Negociar com fornecedores

Converse com os parceiros de negócio em busca de condições de pagamento mais atrativas ou até mesmo descontos nos preços já negociados. Essa redução certamente impactará positivamente na sua margem de lucro.

Otimizar processos

Muitas vezes não é possível aumentar o preço do produto ou do serviço, então o jeito é reorganizar os processos internos. Por isso, avalie todas as oportunidades possíveis de reduzir os custos operacionais.

Automatizar a gestão financeira

Uma das melhores soluções para reduzir custos é investir na automatização de processos manuais e repetitivos. Quando você utiliza softwares de gestão financeira, por exemplo, você deixa esse cuidado com o próprio sistema e tem mais tempo para se dedicar às entregas mais robustas e estratégicas do negócio.

Conclusão

Acompanhar os indicadores financeiros do seu negócio é tarefa mais do que essencial. Mas como se organizar em meio a tantos números e informações importantes e ainda dar conta de entregar os melhores produtos e serviços para o cliente? A Celero pode te ajudar nesta gestão.

Contamos com um software de gestão financeira que pode te permite conhecer a saúde financeira da sua empresa e gerir todos esses indicadores tão importantes.
Solicite uma demonstração gratuita agora mesmo e veja como podemos te ajudar.

Celero

A Celero é uma empresa que ajuda pequenos & médios empreendedores a descomplicar a rotina do setor financeiro empresarial através de um software para gestão financeira fácil de usar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Follow Me