Orçamento empresarial: O que é e como fazer o seu

Orçamento empresarial: O que é e como fazer o seu

O orçamento empresarial é essencial para que uma empresa se mantenha ativa por anos e com as finanças em dia. O problema é que se tratando de Brasil, muitos negócios surgem por necessidade.

Mas, nesses momentos a última coisa que o(a) novo(a) empresário(a) vai pensar é planejamento ou orçamento empresarial financeiro, não é mesmo?

É por isso que nós decidimos falar neste artigo sobre algumas etapas que todo empreendedor(a) deve realizar para ter um planejamento financeiro empresarial.

Etapas de acordo com a realidade do seu negócio.

Antes de tudo, vamos entender melhor como é a realidade empreendedora no nosso país.

Para empreender é necessário um orçamento empresarial

Um dado interessante apresentado pelo Sebrae é que empreender por necessidade, em um país em crise bem como o Brasil.

Essa foi a alternativa encontrada por milhares de brasileiros nos últimos anos.

Desempregados, sem atividades remuneradas e sem conseguir se recolocar no mercado.

Muitas dessas pessoas decidiram que era uma boa ideia estabelecer um novo negócio.

Também segundo o Sebrae, o empreendedorismo por necessidade foi responsável pela abertura de 11,1 milhões de empresas no Brasil.

E no meio desse número, é possível ver alguns cases interessantes como, por exemplo, o do empresário Elói D’Avilla, responsável pela Fly Tour.

A Fly Tour é líder de emissões de bilhetes aéreos na América Latina e maior agência de business travel do país.

Assim como D’Avilla, é importante citar o Geraldo Rufino, fundador da JRDiesel, a maior distribuidora de peças seminovas do Brasil.

E o Thái Quang, dono da Goóc Eco Sandal, empresa que vende sandálias com sola feita de borracha de pneus reciclados.

Porque iniciar um planejamento financeiro

Porque você não deve iniciar um negócio sem orçamento empresarial

Na maioria das vezes, iniciar um negócio próprio por pura urgência de sobrevivência econômica resultará em um(a) empreendedor(a) sem preparo para superar obstáculos e desafios que a vida de empresário(a) apresenta.

Afinal, empreender significa correr riscos calculados e requer conhecimentos prévios sobre o mercado.

Bem como informações sobre abertura de empresas, estudo de viabilidade econômica e financeira.

Portanto, o(a) empreendedor(a) deve fazer uma análise geral do segmento no qual pretende investir.

E equilibrar os recursos que dispõe para desenvolver um plano de negócios, ou seja, para ter base ao estruturar seu orçamento empresarial.

Um conselho:

No mercado atual, para um negócio ser bem sucedido é fundamental que o(a) administrador(a) desenvolva características e atributos, assim como:

  • Liderança;
  • Criatividade;
  • Paciência;
  • Comprometimento;
  • Conhecimento;
  • Foco;
  • Aptidão na hora de empreender;

Se você é um(a) empreendedor(a) novato(a), comece separando suas contas pessoais da conta da empresa.

Em seguida, aprenda como calcular o preço do seu produto/serviço e descubra qual é o ponto de equilíbrio operacional da sua empresa.

Agora, vamos falar sobre algo que todo(a) empresário(a) quer passar longe.

Precisamos falar sobre prejuízo

É muito natural relacionar a palavra “prejuízo” à fatores negativos, sejam eles financeiro, material ou abstrato.

Ou seja, está sempre relacionado a uma perda ou um dano.

No entanto, encare o prejuízo no mundo corporativo como uma causa natural a ser considerada em algumas situações.

E, também, como uma oportunidade de rever planejamentos e ações para dar a volta por cima.

Só para ilustrar, vamos voltar a falar sobre o Geraldo Rufino, empresários que mencionamos logo acima.

Se ele tivesse desistido na primeira dificuldade, hoje ele não seria o homem frente à JR Diesel.

Há mais de 30 anos, os dois caminhões que a pequena empresa utilizava para transportar adubo ficaram sem uso após um acidente.

Ao invés de desistir e encarar o prejuízo como algo definitivo, Rufino encarou a situação como ponto de virada.

E deu início a um mix de ferro-velho e desmanche que, atualmente, fatura cerca de R$ 50 milhões por ano.

É claro que para essa reestruturação dar certo, por trás houve um plano de ação bem estruturado.

Que, por consequência, possibilitou prever custos e despesas.

E aliar um planejamento financeiro empresarial eficiente para que a empresa operasse e progredisse.

Fique atento aos prejuízos

Prejuízo sazonal

Para fazer um orçamento empresarial também é importante levar em consideração os prejuízos por sazonalidade prévia.

Caso de muitas agências de publicidade visto que, tradicionalmente, elas enfrentam problemas de faturamento nos primeiros seis meses do ano, principalmente as que veiculam mídia.

Assim como alguns players do varejo que só começam a se recuperar em março depois do declínio das vendas do período pós-natalino.

Ou seja, se o prejuízo é um fato consumado e que pode ser previsto, por que não encará-lo como parte do planejamento?

Para isso é preciso entender a sazonalidade – que implicará em parte do ano com receita mínima – e usar o dinheiro da época de “vacas gordas” no período de “vacas magras”.

Depois de falarmos sobre o cenário do empreendedorismo nacional e entender melhor como o prejuízo está inserido neste universo.

Por fim, vamos falar de planejamento financeiro empresarial.

5 etapas de um orçamento empresarial

Finalmente chegamos ao tópico onde vamos falar sobre planejamento financeiro que todo(a) empresário(a) deve colocar em prática.

Se possível, desde do momento de abertura da empresa.

Ok, chega de perder tempo e vamos às dicas.

1) Analise o mercado

Em primeiro lugar, você deve analisar o mercado onde o seu negócio está inserido.

Na prática isso significa ver quais são os pontos positivos e os pontos negativos da sua empresa na sua área de atuação.

Durante esse processo, não esqueça de fazer análise e comparação com os seus concorrentes.

Veja qual é a percepção deles diante os consumidores, qual linha de produtos eles oferecem (se é diferente ou similar à sua).

Procure por tendências que podem impactar positivamente o progresso do seu negócio.

Acima de tudo, anote todas as suas observações e análises que serão consultadas futuramente.

2) Métricas globais

As métricas globais são objetivos que você deve definir que vão nortear a sua empresa durante o ano, ou seja, são metas.

Neste processo, em se tratando de finanças, inclua qual é a sua projeção de faturamento anual, defina o limite de custo e despesa.

Separe qual será o limite de investimentos com máquinas que serão usadas para auxiliar no processo de produção de um produto/serviço.

Da mesma forma, não esqueça de definir um orçamento para equipamentos que vão ajudar na rotina da empresa e funcionários como, por exemplo, a compra de computadores.

Para finalizar as métricas globais, reserve uma quantia para a contratação de novos funcionários.

Dependendo da situação financeira da sua empresa, serão contratação pontuais.

E não esqueça de fazer uma projeção da margem de lucro anual que você deseja alcançar.

3) Crie um plano de ação

A criação de um plano de ação começa definindo objetivos para a empresa, lembra das metas globais citadas acima?

Então, elas vão se encaixar neste momento também.

Depois de definir os objetivos, será necessário fazer um mapeamento de ações para que os resultados almejados sejam alcançados.

Isso inclui criar um cronograma com definição de tarefas que irão de encontro aos objetivos da empresa.

Além disso, divida as tarefas que serão executadas entre os funcionários da sua empresa.

E não esqueça de documentar todos os passos do processo para que a administração do seu negócio tenha um padrão.

E por fim, defina os responsáveis por cada área/setor da sua empresa, um gestor.

4) Faça a elaboração orçamentária anual

Como o nome já diz, todo(a) empresário(a) deve definir um orçamento financeiro anual.

Na elaboração no cálculo desse(s) número(s) é bom ter em mente que o faturamento deve ser convertido em projeções de vendas.

Isso quer dizer que na prática esses números terão que se materializar, sair de apenas uma projeção.

Isso se torna realidade através das vendas do produto/serviço.

Neste ponto também entra a contratação de novos funcionários porque a contratação impacta diretamente na projeção de investimento que você definiu para custos e despesas.

Assim como a compra de máquinas para a empresa e equipamento para os funcionários reflete no investimento proposto.

5) Tenha em mente mais de uma opção

Enfim chegamos a última etapa do orçamento empresarial que você deve prestar a atenção. Não foque apenas em uma opção.

Se você está se perguntando: “mas o que isso quer dizer?”, não se preocupe, eu vou explicar.

É comum que quando um planejamento é realizado, o foco fique apenas nas projeções positivas.

Que o(a) empreendedor(a) não leve em consideração que o plano não saia de acordo com o esperado.

Por isso é importante se lembrar de ter uma projeção otimista, onde tudo acontece conforme o esperado e outra projeção.

Essa mais pessimista, onde as coisas não acontecem como o planejado e os resultados esperados não são alcançados.

No entanto, mais do que ter essas duas possibilidades em mente é necessário saber quais ações tomar caso a perspectiva negativa prevaleça.

Eu achei que esse artigo merecia um tópico extra, por isso decidimos falar apenas mais uma coisa: coloque a mão na massa.

Conclusão

Depois de ler todas as etapas citadas acima, chegará uma hora que você deverá partir para a execução e nesse processo, além de definir o orçamento financeiro anual, você também vai precisar mobilizar os seus funcionários para que eles trabalhem rumo ao objetivo a empresa.

Será necessário muito diálogo assim como os erros e acertos ocorrerão durante essa jornada.

Enquanto isso não acontece, esperamos que esse texto te ajude na sua preparação, então, caso você tenha alguma opinião sobre esse artigo deixe nos comentários.

Caso você ache que esse conteúdo pode ajudar outros empreendedores, compartilhar ele nas redes sociais, é só clicar nos botões abaixo.

E até o próximo.

Artigo atualizado em 05 de maio de 2021.

Banner para análise financeira