Open banking: o que é e quais as vantagens para sua empresa

Atualmente, um dos temas mais falados e buscados na internet é o Open Banking. Por isso, no artigo de hoje, esclarecemos algumas questões que envolvem a implementação desse sistema e como ele pode ajudar, principalmente, os empresários brasileiros.

O que é Open Banking?

Open Banking vem do termo em inglês, que significa “Sistema Financeiro Aberto”, ou seja, onde os dados de clientes são compartilhados para que produtos e serviços bancários atendam às necessidades do público de forma personalizada, levando em consideração o histórico financeiro de todas as instituições e não de apenas uma.

Qual o objetivo do Open Banking?

O principal objetivo do Open Banking, é permitir que clientes tenham acesso a produtos e serviços melhores, para isso, eles permitem o compartilhamento de suas informações entre diferentes instituições autorizadas pelo Banco Central do Brasil. 

Além disso, também permite a movimentação de contas bancárias por meio de diferentes plataformas e não apenas pelo aplicativo do banco, tudo isso de forma segura e prática.

Quais os benefícios do Open Banking para sua empresa?

A principal intenção da chegada no Brasil é desburocratizar os serviços bancários e torná-los melhores para empresas e consumidores. Por isso, a seguir, listamos os principais benefícios desse sistema:  

Mais liberdade e autonomia

O open banking vai proporcionar liberdade para a contratação de produtos e serviços financeiros, tudo isso com maior autonomia, possibilitando que um cliente, que pode ser empresa ou pessoa física, tenha uma conta corrente em um banco, um cartão de crédito em uma fintech, um empréstimo pessoal em outra empresa de serviços financeiros. 

Sem falar que as contratações serão mais rápidas, basta o cliente ou empresa compartilhar seus dados com as instituições que desejar. Isso para os empresários vai facilitar muito, pois quem empreende, não tem tempo para esperar os processos burocráticos atuais. 

Menos custos

Com a chegada do Open Banking, a possibilidade de redução de taxas e tarifas é quase certa, por conta do aumento da concorrência. Assim, as instituições vão tentar ser mais competitivas e atrativas aos consumidores. Os custos também serão menores, tudo isso graças à integração do novo sistema, que elimina a necessidade de meios intermediários, barateando o processo.

Mais competição

O sistema Open Banking também vai ser responsável por incentivar as instituições financeiras a melhorarem os serviços e até mesmo o atendimento. Isso vai refletir nos consumidores mais exigentes, principalmente, pelo aumento da oferta de produtos e serviços dos concorrentes, melhorando o que vai será ofertado. Tudo isso é positivo, pois as reclamações de consumidores e empresários podem diminuir em relação aos sistemas bancários no Brasil. 

Como será implementado o Open Banking?

A Implementação do Open Banking está acontecendo por fases aqui no Brasil, confira quais são elas: 

Fase 1

Os dados das instituições financeiras participantes foram disponibilizados ao Banco Central. Dados de atendimento, produtos e serviços, empréstimos, operações de créditos e outros que sejam relacionados a contas de depósito à vista. Tudo isso para que terceiros possam compará-los e consultá-los. 

Fase 2

Nessa fase vai ocorrer o compartilhamento de dados de cadastro e de transações relativas a produtos e serviços divulgados na primeira fase. No caso das transações feitas por clientes, será necessário a autorização de cada usuário para a realização. 

Fase 3

Na terceira etapa ocorre o compartilhamento do serviço de iniciação de transação de pagamentos entre as instituições participantes. Assim, ocorre o encaminhamento de propostas de operações de crédito. 

Fase 4

Já na quarta e última fase, ocorre a expansão da base de dados para abranger, entre outros, operações de câmbio, investimentos, seguros e previdência complementar aberta. Isso vai englobar os dados acessíveis ao público e os dados de transações compartilhados entre instituições financeiras participantes do sistema.

Quais instituições vão participar do Open Banking?

As instituições que participam do Open Banking são apenas aquelas reguladas, autorizadas e supervisionadas pelo Banco Central do Brasil. Com elas serão compartilhados os dados cadastrais, informações sobre transações em contas, cartão de crédito e produtos de crédito contratados pelos clientes, empresas ou pessoas físicas. 

Como usar o Open Banking?

É necessário autorizar o compartilhamento de dados?

Para se beneficiar das vantagens do Open Banking é necessário compartilhar seus dados, já que assim, as instituições financeiras escolhidas podem criar ofertas mais adequadas às suas necessidades, para você compará-las e escolher a que preferir. O que é bem vantajoso para empresa em situações de risco. 

Tenho como saber que dados serão compartilhados?

Para saber as finalidades dos dados que sua empresa ou você compartilhou, será necessário falar ou conferir com a instituição receptora, aquela que solicitou o consentimento para receber dados de outra instituição.

É possível revogar o consentimento do open banking?

É possível dentro do ambiente Open Banking revogar compartilhamentos de dados. Isso pode ser feito, tanto na instituição transmissora de dados, quanto na receptora, a que recebeu os dados compartilhados.

Que dados financeiros são compartilhados?

Por meio do sistema poderão ser compartilhadas as informações de cadastro, que incluem os dados pessoais, o endereço e a renda, como também informações de créditos e financiamentos. 

Meus dados estarão seguros com o Open Banking?

Principalmente as empresas, possuem receios em compartilhar dados, mas de acordo com o Banco Central é seguro utilizar o Open Banking e o compartilhamento dos dados é feito de forma criptografada, garantindo o sigilo e a segurança. Sem falar, que todos os participantes são fiscalizados e, se algum deles não cumprir a norma, pode sofrer punições.

As instituições que tiveram acesso podem guardar meus dados?

O Open Banking foi criado para atender às regras da LGPD, então, isso significa, que o compartilhamento e armazenamento de dados deve se basear no uso consciente dessas informações e sob autorização explícita do cliente, sem falar que essa autorização pode ser suspensa a qualquer momento.

As instituições têm acesso a TODOS os dados ou só os gerados após consentimento?

O cliente tem total controle dos seus dados e pode escolher quais informações deseja compartilhar com as instituições por meio do Open Banking. Apenas alguns dados são obrigatórios para fazer o compartilhamento, como os dados cadastrais de cada pessoa ou empresa. 

Para compreender de forma prática e simples esse sistema, confira o vídeo a seguir:

Conclusão

O Open Banking é vantajoso principalmente para os empresários, que buscam ofertas de crédito mais vantajosas nas instituições financeiras. 

Por isso é tão importante acompanhar o fluxo de caixa da sua empresa e a analisar a saúde financeira dela, já que assim é possível compreender quando é necessário uma ajuda de crédito e qual valor faz mais sentido para o seu negócio. 

Nisso a Celero te ajuda! Você pode começar agora mesmo a testar gratuitamente a plataforma de automação financeira, referência no mercado brasileiro: 

Isabela de Meneses

Analista de Conteúdo na Celero, graduada em Comunicação Social com Bacharelado em Jornalismo pela UFPI, especialista em Gestão de Marketing pela UP e apaixonada por estratégias de conteúdo digital.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Follow Me