História da Celero: A importância de uma “irmandade da corda”

O assunto desse artigo será a história da Celero com a “irmandade da corda”. No primeiro texto falei da importância vital de ter bons sócios! Você pode ler ele AQUI

Mas, continuando a história dos nossos aprendizados, acho que um ponto fundamental foi ter um alinhamento genuíno de para onde queremos ir.

Sim, isso pode parecer meio piegas, mas saber para onde se quer ir pode ser muito mais complexo do que parece. Explico!

Uma vez recebemos um conselho: “se você quer atravessar a rua e não estiver alinhado, tudo bem, todo mundo vai chegar do outro lado, agora, se você quer chegar na lua e tiver um grau de desalinhamento, alguém vai parar em Marte!”

Entendeu por que eu comecei falando de sócios?

O que é a história da Celero com a “irmandade da corda”?

No ano passado, quando estávamos no processo de aceleração do Google for Startups, recebemos um convite para participar do Alumni Summit, lá tivemos a oportunidade de conhecer o Roman Romancini (VP Regional da Sales Force, alpinista e Físico!).

Aprendemos com ele o que é a “irmandade da corda”. Basicamente é o modelo mais genuíno de alinhamento e confiança, se o cara da frente pregar errado, todo mundo que está preso a ele pela corda, morre. Simples assim!

Então é fundamental fazer um “alinhamento do sonho”, deixar claro os pontos de vista sobre o negócio e onde você e seus sócios vão colocar o projeto de vocês.

Para para pensar, vocês vão trabalhar mais de 100 horas semanais atrás de um objetivo, imagina ter alguém indo em direção ao sul enquanto que, na mesma intensidade, você está indo para o norte.

A empresa simplesmente não sai do lugar.

E os problemas com alinhamento não param por aí. Posso elencar tranquilamente alguns pontos onde o desalinhamento pode fazer a sua empresa ruir.

  • Nome da empresa.
  • Posição no organograma.
  • Liderança com o time.
  • Captação de recursos.
  • Vender a empresa

A lista não para aí, mas para não perder o contexto, os 2 primeiros pontos estão diretamente ligados ao Ego e Vaidade (já falei sobre isso no outro texto, cobra de duas cabeças!).

Os impactos da “irmandade da corda” na liderança

Na liderança o buraco é mais embaixo, as pessoas que trabalham na empresa e não são sócias, têm suas ambições, seus anseios e, acima de tudo, estão fazendo de tudo para construir um sonho adquirido (eles acreditam no sonho dos fundadores, e “compram” aquele sonho para eles).

Se os fundadores e sócios estão desalinhados é muito complicado para o time acreditar na liderança, a regra do alinhamento também vale para o restante do time, não importa o tamanho, as pessoas precisam estar engajadas em um mesmo objetivo.

Alinhamento vem de confiança, se não tem confiança…

Um outro problema pode nascer junto com isso, sabe aquela vivência que algumas crianças passam?

“Fala com a tua mãe, se ela deixar ok!”, “Ah não, se teu pai deixar, você vai, veja com ele!”

Na empresa não é diferente, quando uma liderança sólida não existe, as pessoas percebem as lacunas entre os líderes e naturalmente atuam nessas diferenças.

Significa que o seu time, obrigatoriamente, vai ser composto por manipuladores? Não.

Ninguém faz isso por mal, mas naturalmente percebem os caminhos mais curtos para acessarem algum objetivo interno.

O problema é que quando algum dos sócios está desalinhado, esse caminho mais curto pode criar uma área inteira desalinhada e quando todo mundo parar para perceber, existem 2 empresas diferentes.

E na hora de captar recursos ou vender a empresa?

Mas se você acha que durante a gestão os problemas já são grandes, pare para pensar no que acontece quando falamos de captação ou venda da empresa.

Entender para onde vai e o que você quer para empresa vem ANTES de captar recursos, SEMPRE!

Guarde essa frase: “É impossível jogar o jogo da vida no tabuleiro do WAR.”

Vamos lá, existe uma rota muito comum para muitos empreendedores, ela se constitui nos seguintes passos:

  1. Ter uma ideia;
  2. Validar o mercado;
  3. Crescer;
  4. Escalar;
  5. VENDER A EMPRESA (nem muito cedo, nem muito tarde, existe quase uma ciência por trás disso);

Para outros empreendedores a estratégia é: 

  1. Ter uma ideia;
  2. Validar;
  3. Crescer;
  4. GERAR CAIXA;
  5. Escalar;
  6. GERAR CAIXA;
  7. Diversificar;
  8. GERAR CAIXA;
  9. Abrir capital;

Para outros: conseguir pagar as contas e ter conforto.

E para alguns: achar um jeito de ganhar o máximo de dinheiro possível.

Podemos passar o resto do dia elencando razões/estratégias distintas para começar uma empresa, mas consegue perceber como nitidamente o caminho possui diferenças, os objetivos são consideravelmente diferentes!

Alinhamento com potenciais investidores

Não adianta captar em qualquer lugar e de qualquer jeito, se os investidores não estiverem alinhados com os objetivos dos empreendedores, CERTAMENTE, a sociedade VAI TER PROBLEMAS.

Explico: Existem fundos que tem a perspectiva de sair em 3 ou 5 anos, outros fundos tem como principal objetivo acompanhar a empresa por 10 ou 15 anos, existe dinheiro disponível no mercado a fundo perdido, onde praticamente não tem expectativa de retorno.

Se você captar com um fundo que tem como essência VENDER empresas, e você não quiser vender, adivinha? PROBLEMAS!

Por isso que antes de toda e qualquer captação você deve conhecer tudo o que puder a respeito de quem vai investir porque se no momento em que sua empresa está não for a hora, fazer uma operação bancária pode não valer mais a pena.

Como foi com a Celero?

Um exemplo disso é a própria Celero, recebemos propostas para vender, mas vender não é o que nos motiva, nunca foi! 

Queremos construir uma empresa centenária com real capacidade de impactar o mundo positivamente, por mais tentadoras que tenham sido as quantias envolvidas, nunca foi uma decisão difícil negar as ofertas. Por uma razão simples, alinhamento!

Não quer dizer que seja o certo ou o errado, significa apenas que não é o que queremos!

Mas sobre captação, vou falar no próximo texto com mais detalhes…

O fundamental é entender para onde vai e, acima de tudo, qual é a expectativa que TODOS os sócios e fundadores têm sobre o negócio, lembre-se da irmandade da corda, o alinhamento precisa ser o mais genuíno e transparente possível!


Este é o 2º artigo de uma série de quatro em comemoração do aniversário da Celero.


Celero

A Celero é uma empresa que ajuda pequenos & médios empreendedores a descomplicar a rotina do setor financeiro empresarial através de um software para gestão financeira fácil de usar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Follow Me