Como conseguir capital de giro para microempresa e administrar?

Você sabe como conseguir capital de giro para microempresa e qual é a sua importância? Ele funciona como uma reserva de recursos para suprir os principais gastos do negócio, e também pode ser visto como uma proteção do empreendimento caso surjam imprevistos, como uma crise econômica ou até mesmo para suprir a retração do mercado.

No artigo de hoje, separamos as principais informações sobre capital de giro, mas já adiantamos aqui cinco motivos para sua empresa investir nesse recurso:

  1. Manter a sua empresa competitiva.
  2. Cumprir com os pagamentos de impostos e salários.
  3. Evitar juros causados por atraso de pagamentos ou por clientes inadimplentes.
  4. Garantir a compra de equipamentos ou materiais para a produção.
  5. Preservar o patrimônio da empresa diante de situações emergenciais.

Continue a leitura para saber como conseguir capital de giro para microempresa e como calcular a quantia que a sua empresa precisa.

Quem pode solicitar capital de giro?

Confira a diferença do capital de giro para diferentes segmentos:

Capital de giro na indústria

É muito comum que as indústrias, mesmo as pequenas e médias, façam compras em grandes quantidades para atender às demandas e manter o estoque. 

Além da compra de insumos, essas empresas também precisam contar com um valor significativo para pagar os funcionários e bancar os custos operacionais.

Nessas situações, é preciso conhecer claramente o prazo estimado para produção dos produtos e ter um capital de giro proporcional ao período.

Capital de giro no comércio

Já para o comércio, a realidade é um pouco diferente do que acontece na indústria, pois a necessidade de capital de giro é permanente. 

A frequência de compras para repor o estoque é ainda maior e, consequentemente, o prazo de pagamento também difere. Há um gasto volumoso para a compra das peças, mas o retorno financeiro acontece conforme cada unidade é vendida.

Capital de giro em serviços

Como o setor de serviços envolve basicamente a mão de obra, as empresas deste ramo normalmente precisam de menos recursos em comparação a outros tipos de atividades. Isso acontece porque os principais gastos são com produtos fixos ao invés de produtos descartáveis.

Com isso, as compras não necessitam acontecer com tanta frequência, o que diminui a necessidade de um capital de giro muito alto.

Como conseguir capital de giro para microempresa?

Hoje, existem diversas opções de empréstimo para micro e pequenas empresas conseguirem capital de giro. Antes de bater o martelo na primeira que indicarem a você, compare todas as propostas, pondere os prós e os contras de cada uma delas e opte pela que fizer mais sentido em relação à realidade do seu negócio!

Aporte dos sócios

É um dos principais caminhos escolhidos por aqueles que estão iniciando sua jornada como empreendedores. Normalmente, o aporte acontece pela própria pessoa, que injeta dinheiro proveniente de suas economias pessoais, ou então por meio de empréstimos realizados com amigos ou parentes.

Antecipação de recebíveis

Pode ser uma boa opção de empréstimo para microempresas, caso você tenha dinheiro de vendas realizadas vinculado a faturas, cheques ou cartões de crédito. 

Neste cenário, é possível adiantar o recebimento de parcelas que ainda estão para vencer, sem ser necessário esperar por 30, 60 ou até 90 dias para o recebimento. Antes de optar pela antecipação de recebíveis, avalie as taxas de juros.

Linhas de crédito tradicionais

Lembra o que comentamos sobre avaliar os prós e os contras? As linhas de crédito tradicionais têm a vantagem de serem simples e rápidas de acessar; por outro lado, os juros cobrados costumam ser maiores se comparados a outras opções disponíveis. Entre as opções disponíveis, estão:

  • Empréstimo
  • Cartão de crédito
  • Financiamento
  • Consórcio 
  • Cheque especial

A dica de ouro é: antes de contratar o empréstimo, saiba qual será o custo total solicitado e compare o valor com outras instituições financeiras.

Plataformas de empréstimo online

A transformação digital nas empresas, impulsionada principalmente pelo impacto da tecnologia no mundo financeiro, proporciona cada vez mais facilidades para organizações e pessoas. As plataformas de empréstimo online são opções e fornecem auxílios para finalidades como:

  • Financiamento de equipamentos. 
  • Financiamento imobiliário.
  • Empréstimos para abertura de franquia.
  • Empréstimos para micro e pequenas empresas.

Esse tipo de empréstimo oferece duas grandes vantagens: taxas mais atrativas em relação às oferecidas por instituições tradicionais e mais rapidez para o recebimento do valor, que varia de 24 a 72 horas após a solicitação.

Investidores externos

Outra opção para conseguir levantar capital de giro é por meio de pessoas interessadas em investir na sua empresa, como possíveis sócios, investidor anjo ou programas de investimento. A desvantagem é que essa escolha tende a ser mais morosa, pois você pode levar mais tempo que o previsto para encontrar um investidor. 

Como calcular o capital que a empresa precisa?

Depois de saber mais sobre como conseguir capital de giro para microempresa, é a hora de descobrir a quantia ideal para o seu negócio.  

Normalmente, o capital de giro de uma empresa é representado por cerca de 50% dos ativos. Mas como comentamos no começo desse artigo, essa porcentagem varia de acordo com o tipo de empreendimento.

Agora, vamos ao cálculo? A fórmula é simples: CGL = AC-PC

O capital de giro líquido (CGL) é o resultado da subtração do Ativo Circulante (AC) pelos valores do Passivo Circulante (PC). Em outras palavras, o capital de giro é a diferença entre os recursos disponíveis em caixa e a soma das despesas e contas a pagar.

Se sua receita for de R$ 200 mil, por exemplo, e seus gastos forem de R$ 90 mil, o seu capital de giro será de R$ 110 mil.

Exemplos de ativos circulantes (AC):

  • Dinheiro em caixa.
  • Aplicações financeiras.
  • Dinheiro em bancos.
  • Mercadorias em estoque.
  • Contas a receber.

Exemplos de passivos circulantes:

  • Contas a pagar.
  • Fornecedores.
  • Folha de pagamento.
  • Impostos.
  • Empréstimos.

Você já deve ter percebido como é importante acompanhar detalhadamente as finanças do seu negócio. Muitas empresas optam por tecnologias de gestão financeira para conhecerem esses dados mais a fundo e, assim, traçar planos mais estratégicos para alavancar o crescimento.

Por que é importante gerenciar o capital de giro?

Primeiramente, é importante destacar que as empresas precisam ter um capital de giro adequado para o seu tamanho e realidade: nem muito elevado, o que aumenta os custos e dificulta o crescimento; nem muito baixo, que possa impactar nos riscos de inadimplência.

Gerenciar o capital de giro contribui para que a sua empresa cresça de forma sustentável e permite que ela:

  • Mantenha o caixa positivo. 
  • Supra as necessidades das atividades.
  • Tenha um equilíbrio entre as contas do ativo e passivo.
  • Saiba o momento certo para comprar e os prazos em que pode se comprometer.
  • Se desenvolve no longo prazo.

Vale lembrar: a ausência ou mau controle do capital de giro acarretam riscos operacionais e deixam a empresa suscetível a um caixa negativo. 

Como administrar o capital de giro?

Confira algumas dicas importantes que separamos para esse artigo. 

Cortar gastos

Faça uma lista incluindo todos os gastos fixos e variáveis. Analise-a minuciosamente e identifique os custos supérfluos, aqueles que podem ser eliminados sem causar prejuízos para o negócio, como impactos na produtividade e qualidade dos serviços prestados.

Tornar processos mais produtivos

Invista em estratégias que otimizem o tempo da sua equipe. Aqui, o importante é fazer mais com menos, sem colocar o negócio e a qualidade de vida no trabalho em risco. Na onda da Indústria 4.0, você pode implementar ferramentas que automatizam as tarefas repetitivas, por exemplo.

Fazer o controle de inadimplentes

Empresas inadimplentes costumam ter mais dificuldade na hora de conseguir um empréstimo para capital de giro. Tendo isso em mente, controle à risca os clientes devedores para negociar os valores atrasados ou não pagos. Uma dica é investir em tecnologias de gestão financeira, que, dentre muitas vantagens, ajudam a ter esse controle de forma automatizada.  

Negociar com fornecedores

Sempre que possível, negocie com os fornecedores melhores condições de pagamento, como descontos e parcelamentos. O importante é encontrar um ‘meio do caminho’, que favoreça o seu negócio sem prejudicar o do outro. 

Reduzir o ciclo financeiro

Entende-se por ciclo financeiro o período entre a compra junto ao fornecedor e o recebimento pelo cliente. Quanto menor for esse ciclo, menor será o capital de giro. Uma maneira de reduzir esse intervalo é negociar prazos mais atrativos nas compras e priorizar formas mais rápidas de receber, como pagamentos em boleto e cartão.

Conhecer o fluxo de caixa

O fluxo de caixa é basicamente o compilado das receitas e despesas efetivamente liquidadas em um determinado período. Conhecer esse processo é essencial para identificar a saúde financeira do seu negócio e tomar decisões mais assertivas. Para facilitar esse controle, você também pode contar com tecnologias de gestão financeira, que otimizam a análise de dados de maneira segura e transparente.

Ter disciplina

Ter um capital de giro é importante para manter despesas rotineiras, como aluguel, salários e contas fixas. Portanto, não utilize esse dinheiro para cobrir despesas não essenciais. Tenha disciplina para usufruí-lo com responsabilidade, sem impactar na saúde financeira do seu negócio. Caso tenha que utilizá-lo em alguma emergência, reponha o valor assim que possível.

Utilizar um software de gestão

Como já comentamos, as tecnologias de gestão financeira podem te ajudar, e muito, a administrar o capital de giro da sua empresa. Os softwares disponíveis no mercado estão cada vez mais robustos e auxiliam pequenos e médios empreendedores a controlar uma série de operações e ainda fornecem um panorama completo referente aos dados financeiros da empresa.

Conclusão

Independentemente do segmento, o capital de giro é um recurso financeiro importante para pequenas, médias e grandes empresas manterem o seu funcionamento de forma saudável e rentável.

Conhecer o fluxo de caixa do seu negócio é o primeiro passo para conhecer as condições financeiras da sua empresa e, principalmente, para poder decidir o melhor empréstimo para a sua realidade.

E vale lembrar! Antes de tomar qualquer decisão:

  • Faça muita pesquisa e simulações de crédito para comparar as propostas.

Mergulhe nas vantagens da Indústria 4.0 e aproveite as tecnologias que estão a seu favor. Investir em um software de gestão financeira é uma boa pedida para acompanhar os dados financeiros e tomar decisões com mais clareza.

Celero

A Celero é uma empresa que ajuda pequenos & médios empreendedores a descomplicar a rotina do setor financeiro empresarial através de um software para gestão financeira fácil de usar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Follow Me